Witzel recebe pais de Marielle e Anistia Internacional

0
62

Acompanhados pelos pais da vereadora Marielle Franco (PSOL-RJ), representantes da Anistia Internacional foram recebidos hoje (13) pelo governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel. O encontro ocorreu na véspera de completar um ano da morte da vereadora e do motorista Anderson Pedro Gomes e no dia seguinte à prisão dos dois suspeitos do assassinato de ambos.

A diretora executiva da Anistia Internacional Brasil, Jurema Werneck, apresentou ao governador a preocupação da organização não-governamental (ONG) sobre questões que ainda aguardam respostas, como quem são os mandantes e a motivação do crime. Segundo ela, esses pontos ficaram conhecidos como “Labirinto de Marielle Franco”.

Jurema Werneck disse que Witzel se comprometeu a dar seguimento às investigações e reiterou que a prisão dos suspeitos Ronnie Lessa e Elcio Vieira Queiroz é apenas o primeiro passo para a elucidação do crime.

De acordo com Jurema Werneck, há preocupações com  “inconsistências e informações preocupantes” observadas “ao longo do processo”, como a arma utilizada no crime, que é do mesmo tipo da usada pela Polícia Civil, a munição da Polícia Federal e situações específicas de negligência e interferência.

Autonomia

A Anistia Internacional apresentou a Witzel a proposta de instalar um mecanismo independente de acompanhamento do caso Marielle, comprometendo-se a enviar ao governador informações para que ele possa estudar essa alternativa e avaliar se essa é, também, uma forma adequada de prosseguir no caminho da investigação.

Antonio Silva Neto e Marinete Francisco, pais de Marielle Franco, disseram que Witzel se desculpou ter sido fotografado ao lado de candidatos que quebraram uma placa que homenageava a parlamentar.

“Ele nos pediu desculpas porque não participou ativamente daquele ato e disse que não sabia. Era um ato individual de cada um. Ele não tem como responder por qualquer outra pessoa. Ele assumiu o compromisso [sobre uma] segunda etapa das investigações”, afirmou a mãe da vereadora.

Segundo Marinete Francisco, a identificação dos dois suspeitos constitui apenas um primeiro passo para a elucidação final. “Mas que tenha uma outra etapa de condenação, que eles se mantenham presos e que a denúncia seja aceita, para que a gente possa avançar também nesse ponto.”