Toffoli passou investigação sobre caso Flávio Bolsonaro na frente de 42 processos

0
91

247 – Ao tomar a decisão que suspendeu o uso de dados do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) em investigações sem prévia autorização judicial, beneficiando diretamente o senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), o presidente do STF, ministro Dias Toffoli, passou o processo à frente de outros 42 casos semelhantes que aguardavam uma decisão sua nos últimos dois anos.

A decisão que beneficiou o filho do presidente Jair Bolsonaro (leia no Brasil 247) veio por meio de um outro processo que tramitava na corte e que tinha Toffoli como relator. Em abril de 2018, segundo reportagem do jornal Folha de S. Paulo, o caso foi considerado de repercussão geral, ou seja, a decisão embasaria todos os demais casos semelhantes.

Desde aquele ano, outros 42 processos, em sua maioria ligados a crimes de sonegação fiscal – o caso de Flávio Bolsonaro, porém, investiga a suspeita de peculato, lavagem de dinheiro e organização criminosa. Dos 42 processos, Toffoli aparece como relator em quatro casos.

A reportagem destaca que como o caso é de repercussão geral, Toffoli poderia ter suspendido as ações e investigações questionadas desde 2018, de maneira a aguardar uma decisão definitiva por parte do STF, mas a decisão só foi tomada na última segunda-feira (15), após os advogados de Flávio Bolsonaro apresentarem um pedido para que as investigações contra o parlamentar fossem suspensas.

A decisão de Toffoli que beneficiou Flávio Bolsonaro foi tomada no mesmo dia em que o pedido de suspensão das investigações foi protocolado pela defesa.