Renan Calheiros ironiza confiança de Onyx em Flávio Bolsonaro: “réu confesso na utilização de caixa 2 e lavagem de dinheiro”

0
43

Após o ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, dizer que tem “confiança”em Flávio Bolsonaro (PSL), o senador Renan Calheiros (MDB-AL) ironizou a declaração em seu perfil no Twitter nesta 3ª feira (14.mai.2019). 

Onyx negou que a investigação da Justiça sobre o filho mais velho do presidente Jair Bolsonaro afete o governo federal.

“Primeiro, isso foi no âmbito da Justiça do Rio de Janeiro. Eu acho que é uma questão que tem de ser resolvida dentro do processo que está em aberto. O governo tem uma agenda que está dada para o Brasil. Nós temos total tranquilidade e temos confiança no Flávio e, certeza, de que o governo está conduzindo o trabalho”, disse o ministro.

Renan Calheiros afirmou que “até agora o que existe de mais grave contra Flávio Bolsonaro é a declaração de ‘confiança’ de Onyx Lorenzetti”.

“Trata-se de 1 réu confesso na utilização de caixa 2 e lavagem de dinheiro”, afirmou.

O CASO DE FABRÍCIO QUEIROZ

Nesta 2ª feira (13.mai.2019) foi divulgada uma decisão do juiz Flávio Nicolau, do TJ-RJ (Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro), dada em 24 de abril de 2019, que autorizou a quebra de sigilo do senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) e do ex-assessor dele Fabrício Queiroz.

A decisão atendeu a pedido do MP-RJ (Ministério Público do Rio de Janeiro) e foi mantida em sigilo até ontem.

A quebra do sigilo bancário autorizada abrange o período de janeiro de 2007 a dezembro 2018. O sigilo fiscal será de 2008 a 2018.

A investigação de Flávio Bolsonaro iniciou no Núcleo de Combate à Corrupção da Procuradoria da República no Rio de Janeiro, determinada pela procuradora regional da República Maria Helena de Paula, quando era coordenadora criminal do MP-RJ. Foi aberta com base em movimentações financeiras do filho do presidente.

No dia 18 de janeiro, o Jornal Nacional noticiou que 1 novo relatório do Coaf indicou movimentações bancárias atípicas nas contas de Flávio Bolsonaro:

  • R$ 1.016.839 – pagamento de 1 título bancário à CEF (Caixa Econômica Federal);

Em entrevista para a Record e para a RedeTV em 20 de janeiro, Flávio disse que o pagamento de R$ 1 milhão foi em transação com imóvel. No dia seguinte, o ex-jogador de vôlei de praia, Fábio Guerra, confirmou que pagou cerca de R$ 100 mil em espécie para o senador eleito para quitar parte da compra de 1 imóvel na zona sul do Rio de Janeiro.

No dia 17 de janeiro, Flávio Bolsonaro conseguiu durante o recesso do Judiciário uma liminar do ministro Luiz Fux, do STF (Supremo Tribunal Federal), suspendendo as investigações do MP do Rio. Ele acusou os procuradores de terem quebrado o sigilo do processo de forma irregular, o que foi negado pelo MP.

Já no dia 26 de janeiro, a revista Veja divulgou 1 novo trecho do relatório, em que aponta que o filho do presidente Jair Bolsonaro teria movimentado R$ 632 mil de agosto de 2017 a janeiro de 2018.
Em 1º de fevereiro, o relator do caso no STF, Marco Aurélio Mello, derrubou a decisão de Fux e as investigações foram retomadas.