Raquel Dodge diz estar ‘à disposição’ de Bolsonaro para novo mandato na PGR

0
79

A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, disse nesta 6ª feira (7.jun.2019) que está “à disposição” para uma eventual recondução ao cargo de chefe do MPF (Ministério Público Federal) por mais 2 anos. Ela disse que não tem feito nenhuma articulação para se manter no posto, mas que a permanência seria bem-vinda.

“Eu estou à disposição, tanto da minha instituição quanto do país, para uma eventual recondução, eu não sei se isso vai acontecer”, disse, antes de participar da 4ª Conferência Regional de Promotoras e Procuradoras de Justiça dos Ministérios Públicos Estaduais da Região Sudeste, na capital paulista.

O mandato de Raquel Dodge na PGR (Procuradoria Geral da República) termina em setembro. Questionada se teria conversado com o presidente Jair Bolsonaro sobre o tema, a chefe do MPF negou.

“Eu tenho me mantido sem fazer nenhuma manifestação neste sentido [de buscar a recondução], afirmou.

Em 15 de maio, a ANPR (Associação Nacional dos Procuradores da República) fechou a inscrição para os candidatos à lista tríplice. Os 3 primeiros nomes serão apresentados a Bolsonaro para escolha do sucessor.

A procuradora-geral, que não se inscreveu na lista, disse que a consideração, ou não, da lista tríplice é uma prerrogativa do chefe do Executivo. “É uma decisão do presidente, definida na Constituição”, disse.

A lista tríplice foi criada em 2001 e é defendida pelos procuradores como 1 dos principais instrumentos de autonomia da carreira. De acordo com a Constituição, o presidente da República pode escolher qualquer 1 dos procuradores em atividade para o comando da PGR. De 2003 a 2017, o nomeado foi o mais votado pelos membros da ANPR.

Indicada para o cargo pelo então presidente Michel Temer, em 2017, Dodge havia ficado em 2º lugar pela indicação da associação.

BOLSONARO E RAQUEL DODGE

Em 7 de maio, Bolsonaro recebeu a procuradora-geral em uma audiência no Planalto. Na saída do encontro, Dodge não falou com a imprensa.

Durante a campanha, Bolsonaro sinalizou que poderia nomear alguém que não estivesse na listra tríplice do MPF. Em 20 de novembro, após ser eleito, o presidente desviou-se de dizer se indicaria 1 nome da lista tríplice do Ministério Público para a PGR (Procuradoria Geral da República).

“Isso aí a gente conversa em setembro do ano que vem. Mas, a princípio, vamos seguir todas as normas legais existentes”, disse à época.