Polícia incinera em Manaus 2,5 t de drogas apreendidas de abril a julho deste ano

0
151

A Polícia Civil do Amazonas, por meio da Divisão de Recebimento, Análise e Distribuição de Inquéritos e Termos Circunstanciados de Ocorrência e de Armazenamento de Material Apreendido (Drad), realizou na manhã desta sexta-feira, dia 11, a incineração de duas toneladas e meia de entorpecentes, entre cocaína e maconha, apreendidas no período de abril a julho deste ano, pelas instituições que compõem a Secretaria de Estado de Segurança Pública do Amazonas (SSP-AM).

O processo químico teve início por volta das 9h, nas instalações de uma empresa de produtos químicos e reciclagem, localizada na segunda etapa do bairro Distrito Industrial, zona Leste da capital. O procedimento foi acompanhado pelo delegado-geral da Polícia Civil do Amazonas, Frederico Mendes; pela delegada Leila Silva, diretora da Drad; e pelo delegado Paulo Mavignier, diretor do Departamento de Investigação sobre Narcóticos (Denarc).

Também estiveram presentes no local o delegado Petronio Carvalho, chefe de Gabinete da Polícia Civil do Estado; o delegado Geraldo Eloi, diretor do Departamento de Polícia Metropolitana (DPM); policiais civis lotados na Drad e no Denarc, além de integrantes do Grupo Força Especial de Resgate e Assalto (Fera), a equipe de elite da instituição.

A diretora da Drad explicou que as drogas incineradas representam a somatória de quatro meses de apreensões, realizadas na capital e no interior, por todos os órgãos que compõem o Sistema de Segurança Pública no Estado. “No último procedimento, que ocorreu no dia 12 de abril deste ano, incineramos três toneladas de drogas. Agora estamos incinerando o acúmulo de quatro meses de apreensões, totalizando 2,5 toneladas, sendo 2,3 toneladas de maconha e 200 quilos de cocaína”, informou a delegada Leila Silva.

O delegado-geral enfatizou a importância dos trabalhos integrados no combate à criminalidade em todo o Amazonas. “Somente neste ano incineramos cinco toneladas e meia de substâncias ilícitas. Isso representa um impacto muito grande frente ao crime organizado. As equipes do Denarc estão de parabéns. Metade da droga incinerada hoje foi apreendida por eles. Também aproveito para elogiar o desempenho das equipes do Departamento de Repressão ao Crime Organizado (DRCO), bem como das unidades distritais, delegacias dos interiores e a própria Secretaria-Executiva-Adjunta de Inteligência (Seai). Enfim, todo o Sistema de Segurança teve contribuição para os bons resultados das ações em combate ao crime organizado”, pontuou Frederico Mendes.

O delegado Paulo Mavignier ressaltou que grande parte da droga incinerada é fruto de apreensões do Denarc. “Esse resultado representa a evolução das Forças de Segurança estaduais, mais especificamente o Denarc, que vem realizando contínuos trabalhos de repressão ao narcotráfico no Estado, compreendendo as rotas utilizadas para transportar as drogas, principalmente os rios do Amazonas. Isso realmente é um saldo muito positivo, pois contabilizamos mais de 1,3 tonelada de drogas apreendida somente pelas nossas equipes”, pontuou.

Mavignier destacou, ainda, que toda essa droga que passa pelo Amazonas é oriunda do Peru e da Colômbia. “A Colômbia, como grande fabricante de skunk, e o Peru, como um dos maiores fabricantes de cocaína, tanto pasta base e o cloridrato. O resultado das apreensões de entorpecentes pelo Sistema de Segurança do Estado é um prejuízo enorme para o crime organizando”, concluiu o diretor do Denarc.