Moro vai para o Supremo na ‘primeira vaga’, diz Bolsonaro

0
50

PODER 36O – presidente Jair Bolsonaro concedeu entrevista neste domingo (12.mai.2019) ao jornalista Milton Neves, da Rede Bandeirantes, e afirmou que o ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro, será o próximo indicado ao STF (Supremo Tribunal Federal).

“Eu fiz 1 compromisso com ele, porque ele abriu mão de 22 anos de magistratura. A 1ª vaga que abrir lá [no STF], estará à sua [Moro] disposição”, disse o presidente.

A próxima cadeira a ficar vaga na Corte será a do ministro decano, Celso de Mello, que está no Supremo desde 1989. Ele completará 75 anos – idade para a aposentadoria compulsória– em novembro do ano que vem. Mas, em tese, uma vaga pode surgir antes disso se algum ministro resolver se aposentar antes dos 75 anos ou se ocorrer alguma morte.

Bolsonaro ressaltou, no entanto, que apesar da competência e da qualidade do ex-juiz da Lava Jato, ele precisará passar por uma sabatina “técnica e política” no Senado Federal.

Ainda falando sobre o ministro, Bolsonaro ressaltou a importância da aprovação do Pacote Anti-crime, apresentado por Moro no Congresso. Segundo o presidente, a medida auxiliará no fortalecimento do turismo no país.

Bolsonaro avaliou que a violência no Brasil é 1 dos fatores principais que atrapalham o turismo.

O nosso turismo é vexatório, tendo em que vista que somos o 1º no mundo em belezas naturais. Nós temos que investir para diminuir a questão da violência. Espero que o Pacote Anti-crime do Sérgio Moro seja aprovado pelo parlamento”, disse o mandatário.

Além da segurança pública, Bolsonaro também culpou os “xiitas ambientalistas” pelo enfraquecimento do turismo. O presidente disse que eles marcam áreas ecológicas que impedem o desenvolvimento do turismo e usou como exemplo a Baía da Angra, no Rio, a quem comparou com a cidade de Cancún, no México.

Para finalizar a pauta do turismo, Bolsonaro falou sobre a situação do ministro da pasta, Marcelo Álvaro Antônio. O deputado é alvo de investigações sobre suposto envolvimento na candidatura de mulheres laranjas para preencher a cota feminina nas eleições.

Bolsonaro defendeu a permanência do ministro e afirmou que a denúncia contra ele não é robusta.

“Está indo pra frente o caso do Álvaro Antônio. Se tiver algo no meio dessas denúncias, a gente tomará providências. Agora não pode pintar denúncia contra o governo se não tiver materialidade, se não eu vou ter que mandar embora todo mundo”, declarou.

BASE DO GOVERNO NO CONGRESSO

O chefe do Executivo assumiu que o governo não tem uma base nas duas Casas do Legislativo. Afirmou que não encontrou outra maneira de construí-la sem o ‘toma lá, da cá’.

Ele criticou a atuação da mídia que, segundo ele, está cobrando pela formação de uma base.

“A mídia sempre criticava essa forma de fazer a base eleitoral. Essa forma de fazer política não deu certo, a resposta está aí: presidente preso, ex-presidente da Câmara preso, prefeitos com problemas. Nós queremos evitar isso daí, porque se o Brasil estiver bem, todos nós estaremos bem”, disse Bolsonaro.

Brincando, o presidente disse que aceita sugestões alternativas para formar a base, mas falou que, com ou sem base, os congressistas têm que ter independência na hora de votar.

“Eu não concordo que o parlamentar tem que votar de forma cega no governo porque ele foi atendido. Afinal de contas, toda unanimidade é burra”, afirmou o pesselista.

Para o presidente, 1 bom projeto não necessita de base para aprovação. Ao interagir com Milton Neves e os comentaristas, Bolsonaro disse que tinha uma boa idéia para a gasolina que tinha certeza de que eles aprovariam.

“Nós queremos que o usineiro possa vender o etanol diretamente no posto de gasolina. Nós achamos que isso vai diminuir, em média, R$ 0,20 no litro do álcool, porque você começa a fazer uma concorrência com a gasolina”, disse o presidente.

CORREÇÃO DA TABELA

Na entrevista, Bolsonaro também afirmou que o governo vai corrigir a tabela do Imposto de Renda Pessoa Física  para o ano que vem. O presidente diz ter orientado o ministro Paulo Guedes (Economia) para que a tabela seja corrigida “no mínimo”com a inflação.

“E, se for possível, ampliar o limite de desconto com educação, saúde. Isso é orientação que eu dei para ele [Guedes]. Espero que ele cumpra, que orientação não é ordem. Mas, pelo menos, corrigir o Imposto de Renda pela inflação. Isso, com toda a certeza, vai sair”, afirmou Bolsonaro.

De acordo com o Sindifisco Nacional (Sindicato Nacional dos Auditores Fiscais da Receita Federal), a defasagem na tabela do IRPF chega 95,46%. O levantamento foi divulgado em janeiro, e foi feito com base na diferença entre o IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo), acumulado de 1996 e 2018, e as correções da tabela no mesmo período.

A tabela do IRPF não sofre alterações desde 2015. Entre 1996 e 2014, o IPCA acumulado foi de 309,74%. Já a tabela foi corrigida em 109,63%.

Segundo o sindicato, os contribuintes de menor renda, que estariam na faixa de isenção, são os mais prejudicados porque são tributados em 7,5% por causa da defasagem.

MOURÃO E OUTRAS POLÊMICAS

Questionado pelo apresentador se acha que alguém dentro do governo trabalha contra sua Presidência, Bolsonaro afirmou que a sinalização se dirigia ao vice-presidente, Hamilton Mourão.

Contudo, afirmou que dentro do seu governo existem pessoas que vão tentar miná-lo, mas disse que isso é normal em qualquer gestão.

“Eu acredito que o vice não tem essa pretensão. Se bem que todo ser-humano quer ascensão. Mas eu não acredito nessa possibilidade por parte do vice. Agora, tem gente que busca maneiras de te minar para ganhar alguma coisa lá na frente sempre existiu e existe no meu governo também com toda a certeza”, declarou o presidente.

Bolsonaro não se alongou muito em outra questão que ganhou os holofotes recentemente, que foi o decreto que flexibiliza o acesso a armas de fogo.

Além das respostas clássicas, como o respeito pelo referendo de 2005 e o direito de defesa do cidadão de bem, o presidente falou que, como marido, usaria a arma para defender a primeira-dama, Michelle Bolsonaro.

“É a maneira que temos de defender a nossa família. Eu que sou homem, tenho que defender minha esposa. Se 1 cara entrar na minha casa, eu sei que ele vai barbarizar. Entre ele e eu, sou mais eu. Se entrar na minha casa, tem que levar chumbo mesmo”, disse Bolsonaro.

Em pouco mais de 1 hora de entrevista, falou ainda sobre a polêmica em que se envolveu com o prefeito de Nova York, o democrata Bill de Blasio.

Bolsonaro disse que não deixou de ir à cidade por causa do prefeito, mas pela convocação pública que Blasio teria feito para o recebessem de maneira hostil.

Confirmou que se sentirá mais confortável em receber o prêmio em Dallas, no Texas. Ainda sobrou tempo para mais críticas a de Blasio. Disse que o democrata não terá chances de bater o presidente Donald Trump nas eleições de 2020.

“Ele quer disputar as prévias pelos democratas para concorrer contra o Trump, mas não vai conseguir nada. Ele é um fanfarrão, paspalhão e bobalhão. Se tivesse Psol lá, seria o partido adequado para ele”, declarou.