Marcola transforma presídio em escritório do PCC

0
364

Uma reportagem exibida no dia 17 pelo programa Conexão Repórter, do SBT, apresentado por Roberto Cabrini, exibiu imagens gravadas na unidade 2 do presídio de segurança máxima de Presidente Venceslau, em São Paulo, onde estão presos alguns dos mais prestigiados líderes do PCC.

De dentro do presídio, Marcos Camacho, o Marcola, apontado como chefe da facção, consegue controlar aproximadamente 3 mil homens de acordo com as estimativas das autoridades – segundo os detentos, esse número chega a 20 mil. Marcola e outros líderes do PCC se encontram de segunda a sexta durante o banho de sol, e desses encontros resultariam as ordens para realizar ataques, sequestros, tráfico de drogas e assassinatos.

Depois que um superplano de fuga arquitetado para retirar Marcola da prisão foi descoberto, o governo de São Paulo pediu que ele fosse transferido para um presídio em Presidente Bernardes, onde cumpriria a pena em Regime Disciplinar Diferenciado (RDD), um sistema mais severo de detenção. Assim, desde o dia 11 de março, ele estava cumprindo a sentença em isolamento, ficando em uma cela separada, sem acesso a meios de comunicação e tendo direito a apenas duas horas de banho de sol.

Apesar de sua periculosidade, o Desembargador Péricles Piza, do Tribunal de Justiça de São Paulo, entendeu que não havia evidências de que Marcola tivesse participado do plano de fuga e ordenou que ele fosse retirado do RDD no dia 10 de abril. Retornando para o presídio de Presidente Venceslau, Marcola volta a ter acesso a jornais e televisão, visitas duas vezes por semana, contato com outros detentos e banhos de sol de seis horas diárias.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.