Irredimível, Moro tem de pedir demissão já que Bolsonaro não pode demiti-lo, por Reinaldo Azevedo

0
94

É evidente que Sérgio Moro, ministro da Justiça, tem de pedir demissão. De grande paladino do combate à corrupção, tornou-se hoje não um peso morto, mas um peso ativo, de fato, no governo Bolsonaro. Ele mais dificulta do que facilita o andamento da gestão.

Como é que se vai ter um superministro da Justiça depois do que se sabe — e do que se sabe até agora; vem mais coisa — de sua atuação como juiz? Quem vai confiar em Moro como interlocutor?

Na condição de titular da 13ª Vara Federal de Curitiba, ele não atuou com a imparcialidade de um juiz. Ele se associou ao Ministério Público para aparelhar o processo político e responde, sim, em grande parte, pela razia que aí está e pela crise política que vivemos.

Bolsonaro lhe foi grato e reconheceu que, sem o então juiz, a história seria outra. Ocorre que o agora ex-magistrado foi, com a toga sobre os ombros, muito além do que a lei lhe permitia fazer também na condução da investigação.

Apontei as prisões preventivas arbitrárias.

Apontei a espetacularização da investigação.

Apontei a fragmentação da dita-cuja de modo a que coisa não acabasse nunca.

Apontei a destruição das empresas sob o pretexto de combater a corrupção.

Apontei a organização da Lava Jato como ente de razão disposto a constituir um Estado paralelo.

A verdade que vem à luz, no entanto, consegue ser ainda pior do que tudo o que se supunha.

Moro é irredimível. Tem de pedir demissão, já que Bolsonaro não pode demiti-lo.