Estudantes e professores fazem paralisação nacional contra cortes na educação

0
124

PODER 360 – Estudantes e professores de Universidades e Institutos Federais realizam nesta 4ª feira (15.mai.2019) protestos por todo Brasil contra os cortes anunciados pelo governos de 30% na educação.

Vão paralisar as atividades acadêmicas em prol do movimento. A reforma da Previdência também será pauta das manifestações.

As paralizações foram convocadas pela UNE (União Nacional dos Estudantes). A organização anunciou a realização de assembleias em salas de aula de todo o país.

Marcadas para 13 capitais e o Distrito Federal, além de dezenas de cidades, os protestos também vão contar com a presença de centrais sindicais que se colocam contra a PEC da Previdência.

CONTINGENCIAMENTO

O ministro Abraham Weintraub (Educação) anunciou em 30 de abril corte de verbas em instituições públicas de ensino superior. Inicialmente, havia falado sobre a UnB, a UFF e a UFBA.

Depois, o secretário de Educação Superior do MEC, Arnaldo Barbosa de Lima Junior, afirmou em entrevista que a medida valerá para todas as universidades federais. O bloqueio será de 30% em seus orçamentos. Só valerá a partir do 2º semestre deste ano –de acordo com o MEC.

Segundo o ministro Abraham Weintraub, as universidades federais terão verbas bloqueadas caso não apresentem o desempenho acadêmico esperado. Além disso, afirmou que não será aceita a promoção de “balbúrdia” nos campi.

FALTA DE ADESÃO

Segundo a empresa de consultoria digital Bites, o buzz nas redes sociais contra a peça publicitária da Natura foi maior do que as manifestações de adesão aos atos marcados para esta 4ª feira (15.mai) contra os cortes no orçamento da educação.

Nas últimas 24h, levando em contra as pesquisas no Google, o interesse do público no comercial da Natura estava em 73, numa escala de 0 a 100. Já as buscas para a paralisação registravam 31.

De acordo com a empresa, é baixa a adesão da opinião pública digital ao tema. Na avaliação dela, os protestos serão concentrados em metrópoles como São Paulo e Rio de Janeiro.