Em carta, ex-presidente do Peru diz que se matou para evitar injustiça

0
132

247 – O ex-presidente peruano Alan García, que se suicidou na última quarta-feira (17) deixou uma carta na qual afirmou não querer sofrer a “injustiça” de ser preso sob acusação de participar de um escândalo de corrupção. Na carta, ele diz já ter cumprido sua missão.

“Vi outros desfilarem algemados, guardando a sua miserável existência, mas Alan García não tem porque sofrer essa injustiça e esse circo, por isso deixo aos meus filhos a dignidade das minhas decisões, aos meus companheiros um sinal de orgulho, e o meu corpo como uma amostra do meu desprezo aos meus adversários, porque já cumpri a missão que me impus”, escreveu.

A carta foi lida por uma de suas filhas durante o funeral, que aconteceu nesta sexta-feira (19). Ele disse já ter cumprido sua missão ao levar o Partido Aprista Peruano (PAP) ao poder, e que em 30 anos de vida pública jamais foi encontrado nada contra si.

“Neste tempo de boatos e ódios repetidos que as maiorias acreditam ser verdadeiros, vi como são usados os procedimentos para humilhar, e não para encontrar verdades. Por muitos anos me coloquei acima dos insultos, me defendi, e a homenagem dos meus inimigos foi argumentar que Alan García era suficientemente inteligente para que eles não conseguissem provar as suas calúnias”, disse.