Banco Mundial reduz previsão de avanço da economia brasileira em 2019

0
32

PODER 360 – O Banco Mundial reduziu nesta 3ª feira (4.jun.2019) a projeção de avanço do PIB (Produto Interno Bruto) brasileiro para 1,5%. A previsão anterior, de janeiro, era de 2,2%.

Já para 2020, a instituição financeira projeta que a economia doméstica deverá crescer 2,5%. Entretanto, em 2021, o BIRD estima que o país deverá crescer 1 pouco menos, 2,3%.

As projeções do Banco Mundial são ligeiramente maiores que os cálculos de economistas consultados pelo boletim Focus, relatório semanal divulgado pelo BC (Banco Central).

Na 2ª (3.jun), o boletim reduziu, pela 14ª vez consecutiva, a perspectiva de crescimento da economia brasileira em 2019, agora calculada para 1,13%. Ainda de acordo com Focus, nos anos de 2020 e 2021, o país deverá avançar 2,5%.

CENÁRIO INTERNACIONAL

Economistas e analistas estimam uma redução do crescimento da economia mundial, em meio ao conflito tarifário travado entre Estados Unidos e China, além das desacelerações observadas na Zona do Euro e na China.

Com base em 1 cenário econômico complexo, o Banco Mundial projeta que, neste ano, o mundo deverá crescer 2,6%, ante o dado anterior, de janeiro, que apontava para crescimento de 2,9%. Já para 2020, o avanço deverá ser 1 pouco menor, de 2,7%.

O Banco também prevê que a economia norte-americana, neste ano, deverá crescer 2,5%, enquanto em 2020, 1,7%. Já a Zona do Euro deverá avançar 1,4% entre os anos de 2020 e 2021, calcula o Banco Mundial.

No que diz respeito às economias emergentes, o crescimento, em 2019, deve diminuir para 4%, constituindo assim o menor nível em 4 anos, enquanto deve recuperar-se levemente em 2020, atingindo a marca de 4,6%.

O atual momento econômico permanece fraco, enquanto aumentam os níveis de endividamento, além do crescimento moderado do investimento nas economias em desenvolvimento, que impedem os países de atingirem seu potencial. É urgente que os países façam reformas estruturais significativas que melhorem o clima de negócios e atraiam investimentos. Eles também precisam priorizar a administração da dívida e a transparência, de modo que a nova dívida seja acrescentada ao crescimento e ao investimento“, afirmou David Malpass, presidente do Grupo Banco Mundial.

FED E JUROS

O presidente do Fed (Federal Reserve, banco central dos Estados Unidos), Jerome Powell, afirmou nesta 3ª, em conferência de política monetária organizado pelo Fed de Chicago, que a autoridade monetária irá agir “conforme apropriado” para sustentar o crescimento da economia norte-americana em meio à complexa conjuntura econômica.

As falas de Powell aumentaram a perspectiva do mercado de que a autoridade monetária deverá reduzir os juros locais, atualmente administrados entre 2,25% e 2,5%. No ano passado, o Fed elevou, em 4 diferentes oportunidades, os juros locais.

A condução da política monetária é muito criticada pelo presidente do país, Donald Trump, que já chegou a sugerir, via Twitter, que o BC dos EUA reduza as taxas atuais.